Manipulação de Formas Farmacêuticas Sólidas (Pós)

23 de março de 2010

14 comentários
Pesagem

1. Inicialmente o farmacêutico faz a conferência inicial da prescrição conforme o item 4.5.1 da Resolução 33/2000 e orienta quanto às seguintes etapas:
2. O manipulador confere se a ordem de manipulação está de acordo com a receita e o rótulo, separa atenciosamente os potes dos componentes que serão utilizados (as matérias-primas deverão ser armazenadas) em recipientes adequados, hermeticamente fechadas, rotuladas com todas as especificações (ex. nome, fator de diluição se aplicável, nome do fornecedor, prazo de validade, ficha de diluição quando aplicável, número do lote, etc.).
3. Procede-se a pesagem individual de cada componente da formulação, conferindo o peso descrito na ficha de pesagem com o indicado na balança (os potes com as matérias-primas após terem sido utilizados deverão ser fechados e recolocados nas prateleiras no seu devido lugar). O manipulador deverá pesar as substâncias especificadas na receita, observando as respectivas quantidades, registrando os respectivos cálculos bem como os lotes na ordem de manipulação.
4. A pesagem deve ser precisa e cuidadosa.
5. Ao iniciar a pesagem, o manipulador deverá previamente tarar o recipiente de pesagem .
6. O manipulador deverá pesar cada substância separadamente (dando prioridade às substâncias presentes em quantidades menores), tarando a balança a cada operação. A quantidade do excipiente a ser pesada deve ser determinada pelo método volumétrico (veja tabela abaixo) de acordo com o tamanho da cápsula a ser utilizada.
7. Após o término da pesagem da formulação, inclusive do excipiente proceder com a trituração/tamisação/diluição (homogeneização) do medicamento.
8. A ordem de manipulação deve conter orientação sobre o tamanho e cor de cápsulas a serem utilizadas.

Tabela - Capacidade das Cápsulas Gelatinosas Duras

CAPACIDADE DAS CÁPSULAS GELATINOSAS DURAS

Tamanho da cápsula

Volume (mL)

Peso (mg)

Qtde de princípio ativo usualmente empregada

000

1,37 mL

Acima de 1000mg (750mg) *

Acima de 750mg

00

0,95 mL

(500) * a 1000mg

Entre 351 a 500mg

0

0,68mL

(400) * a 500mg

251 a 350mg

1

0,50mL

(350) * a 400mg

151 a 250mg

2

0,37mL

(250) * a 300mg

50 a 150mg

3

0,30mL

(200) * a 300mg

Até 50mg

4

0,21mL

(126) * a 252mg

Até 5mg

* Capacidade média para substância com densidade aparente próxima da lactose. Existem diferenças de capacidade em peso relacionados com a reologia do pó, tenuidade, densidade aparente, etc. Exemplo: uma cápsula número 0 pode conter 300mg de cáscara sagrada pó ou 825mg de cloreto de sódio. Portanto é recomendável a utilização da proveta.

Nota: O manipulador deve estar ciente e treinado, seguindo as Boas Práticas de Manipulação.


Trituração/tamisação/diluição (homogeneização)


1. O manipulador seleciona a ordem de manipulação junto com a receita de acordo com o horário de entrega ao cliente; confere o rótulo e a requisição de acordo com a receita; verifica se existe alguma anotação em relação a matéria-prima ou orientação técnica de manipulação.
2. Transfere o pó para o tamis de malha adequado (40 a 60) adaptada ao seu suporte previamente guarnecido com papel manteiga e tamisa o pó com pistilo, pressionando-o contra o tamis em movimentos circulares e de vai e vem até o esgotamento do pó.
3. Verte o pó depositado sobre o papel manteiga contido no suporte para o gral de porcelana, tritura várias vezes com movimentos no sentido horário e vários movimentos no sentido anti-horário, revolve o pó no interior e laterais do pistilo e do gral com a espátula de plástico e mistura novamente com movimentos no sentido horário e com movimentos no sentido anti-horário.

Nota: O manipulador deve estar ciente e treinado, seguindo as Boas Práticas de Manipulação.


Encapsulação

1.
O encapsulador seleciona a formulação previamente homogeneizada, a ser encapsulada, por ordem de prazo de entrega prometido ao cliente.
2. Encapsula a fórmula utilizando as placas necessárias de acordo com o tamanho de cápsula a ser utilizado conforme a recomendação na ordem de manipulação, preenche o registro.
3. Verte as cápsulas para a embalagem adequada e a rotula - preenche os registros necessários.
4. Envia junto o produto embalado com a receita para a conferência e controle da qualidade.

Nota: O manipulador deve estar ciente e treinado, seguindo as Boas Práticas de Manipulação.


Conferência

1. O farmacêutico confere o medicamento com a Ordem de Manipulação, rótulo e receita.
2. O farmacêutico confere verificando os seguintes itens:
a) Horário de entrega prometido ao cliente;
b) Se a Ordem de Manipulação esta devidamente preenchida, assinada com letra legível;
c) A quantidade de cápsulas ou comprimidos dentro do pote, utilizando o contador;
d) Se há deformação nas cápsulas;
e) Aparência das cápsulas (limpeza, amolecimento, quebra, pintas e manchas);
f) Se o tamanho da cápsula é o mesmo anotado na Ordem de Manipulação;
g) Cor da cápsula utilizada;
h) Rótulo (rotular conforme item 4.5.3 da RDC 33/200) x receita;
i) Carimbo de manipulação na receita, devidamente preenchido;
j) Se existe rótulo de advertência para casos de substâncias controladas pela Portaria 344/98.


Controle de Qualidade

As cápsulas devem passar pelo ensaio farmacopéico de uniformidade de doses unitárias, conforme o descrito na Farmacopéia Brasileira IV. "A uniformidade das doses unitárias de formas farmacêuticas pode ser determinada por dois métodos: variação de peso (peso médio) e uniformidade de conteúdo".


Este método se aplica às formas com um único fármaco ou com mais de um componente ativo.O método de Variação de peso (peso médio) pode ser aplicado se o produto contiver 50mg ou mais de um componente ativo, compreendendo 50% ou mais, em peso, da dose unitária da forma farmacêutica. Portanto, para fármacos com dose posológica igual ou maior que 50mg poderiam ser avaliados em relação ao teste de "uniformidade de doses unitárias" com a determinação do peso médio. A determinação do peso médio é tecnicamente simples e viável sua realização na farmácia, sendo que a uniformidade de conteúdo por envolver maior complexidade analítica poderia ser realizada por amostragem em laboratórios contratados.

Fonte: Ortofarma, Estudo Biofarmacêutico Magistral, 2006.

Manipulação de Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas com Tretinoína

19 de março de 2010

6 comentários


A tretinoína (sinonímia: ácido retinóico, vitamina A ácida e ácido retinóico) é um derivado da vitamina A e se apresenta como pó cristalino amarelo ou laranja claro. A tretinoína (C20H28O2; PM=300,4) é praticamente insolúvel em água e pouco solúvel em álcool.

A tretinoína é muito sensível à luz, ao calor e ao ar; sendo facilmente oxidável. Consequentemente, a tretinoína matéria-prima deve ser armazenada sob atmosfera de gás inerte (ex. atmosfera de nitrogênio), em temperatura inferior a 25oC. Uma vez aberta a embalagem de tretinoína (matéria-prima), o pó remanescente deverá ser usado o mais breve possível (USP, 1999; Parfitt, 1999).

Produtos à base de tretinoína devem ser embalados em recipientes hermeticamente fechados, fotoresistentes (ex. bisnaga de alumínio revestido para preparações semi-sólidas, frasco de vidro âmbar para preparações líquidas) e armazenado em temperatura ambiente controlada, protegidos da luz e do congelamento (Trissel, 2000). Os produtos à base de tretinoína devem ser acrescidos de antioxidante para sistema oleoso, como por exemplo, do B.H.T. (butilhidroxitolueno) na concentração usual de 0,05%.

Indicações Terapêuticas

Tem ação queratolítica e esfoliante, nas concentrações de 0,01 a 0,1%. É tradicionalmente usada no tratamento da acne, para acelerar o "turnover" da epiderme e prevenir a formação de comedões. Também é usado no tratamento de hiperqueratoses. Em alopecias, é usado principalmente associado ao minoxidil, com a finalidade de aumentar a absorção deste. Como a tretinoína produz eritema, descamação e é fotossensibilizante, deve ser usado à noite. Durante o dia, recomenda-se o uso de fotoprotetores. O ajuste da concentração do ácido retinóico nas formulações vai depender da resposta terapêutica obtida. Desta forma, recomenda-se iniciar o tratamento com a menor concentração usual, aumentando gradativamente, se necessário.

Para o tratamento da acne, não se deve associar a tretinoína e o peróxido de benzoíla na mesma formulação, uma vez que o primeiro é oxidado pelo segundo. No caso de se optar por um tratamento com essas duas substâncias, pode ser feito alternando-se um creme com ácido retinóico à noite, com um gel de peróxido de benzoíla durante o dia.

O seu uso em cosmiatria vem da observação de pacientes em tratamento de acne, com tretinoína, em que após certo tempo a pele se apresentava mais macia e menos enrrugada, apesar da vermelhidão e irritação causadas pela tretinoína. Desde então, numerosas observações vem sendo feitas com o uso da tretinoína a 0,05%, para redução de rugas e linhas de expressão, para a prevenção do envelhecimento cutâneo e para o tratamento da pele danificada pelo sol. Nessas observações, verificou-se melhoras nas características da pele, diminuição da queratose actínica, dispersão mais uniforme dos grânulos de melanina, formação de novas fibras de colágeno na derme, aumento do fluxo sanguíneo e aumento da permeabilidade da epiderme. Nocaso de rugas, o efeito mais evidente foi constatado em rugas finas e em linhas de expressão.

Exemplos de Formulações

Acne
1. Loção Cremosa com Tretinoína
Tretinoína - 0,05%
Drieline - 2%
Loção Cremosa qsp. - 60mL

2. Gel com Tretinoína e Bisabolol
Tretinoína - 0,025%
Alfa Bisabolol - 1%
Gel de Carbopol qsp. - 50g

3. Creme com Tretinoína e Polyolprepolymer 2
Tretinoína - 0,05%
PP 2 - 2%
Creme Hidratante qsp. - 50g

Modo de Usar: aplicar à noite nas regiões afetadas, com cuidado para não atingir as mucosas dos olhos, nariz e boca. Recomenda-se o uso de bloqueadores solares durante o dia. Nas primeiras semanas de tratamento pode eventualmente ocorrer uma exacerbação temporária da acne, o que deve implicar em suspensão do tratamento. O seu uso não deve ser prolongado além de 2 ou 3 meses.

Alopecias
1.Loção com Minoxidil e Tretinoína
Minoxidil - 2%
Tretinoína - 0,02%
Propilenoglicol - 10%
Álcool Isopropílico qsp. - 60mL

Modo de Usar: aplicar no couro cabeludo 2 a 3 vezes ao dia, com massagem suave.

Anti-Rugas, Cosmiatria
1. Creme com Tretinoína
Tretinoína - 0,01 a 0,05%
Creme Excipiente qsp. - 50g

2. Gel Anti-Rugas para Pele Sensível
Tretinoína - 0,01 a 0,05%
Alfa Bisabolol - 0,5%
Gel de Lubrajel qsp. - 50g

Modo de usar: aplciar nas regiões afetadas à noite. Durante o dia, recomenda-se o uso de fotoprotetores.

Hipercromias
1. Associação com Tretinoína e Hidrocortisona
Hidroquinona - 3%
Ácido Kójico - 2%
Tretinoína - 0,05%
Hidrocortisona - 1%
Gel de Natrosol ou Creme Lanette qsp. - 30g

Obs: as formulações com hidroquinona e ácido kójico devem conter um antioxidante como metabissulfito de sódio e um quelante como o EDTA.

Hiperqueratoses, Ictiose
1. Tretinoína 0,1%
Tretinoína - 0,1%
Creme ou Loção Cremosa qsp. - 100g

Modo de usar: aplicar nas regiões afetadas à noite. Durante o dia, aplciar creme hidratante ou, se as aplicações forem feitas em áreas expostas ao sol, bloqueador solar.

Língua Nigra Vilosa
1. Tretinoína
Tretinoína - 0,05%
Propilenoglicol qsp. - 50mL

Modo de usar: aplicar com uma espátula 1 a 2 vezes ao dia.

Aditivação da Tretinoína (Pó) em Diversas Formas Farmacêuticas

• Soluções
- Alcoólicas: dissolver diretamente no álcool;
- Hidroalcoólicas: dissolver no álcool e em seguida acrescentar a água;
- Hidro-propileno-alcoólicas: dissolver na solução propileno-alcoólica e acrescentar a água.

• Pomadas: reduzir a pó fino e incorporar a pomada previamente elaborada.

• Emulsões: reduzir a pó fino e incorporar na emulsão (ex. creme, loção cremosa) previamente elaborada.

• Géis:
dissolver em álcool ou em solução propileno-alcoólica e acrescentar sobre o gel previamente elaborado. O ácido retinóico diferentemente de outros ácidos é compatível com géis não-iônicos (ex. gel de hidroxietilcelulose, gel de hidroxipropilcelulose, e outros) e também com géis aniônicos (ex. gel de carbômero ou Carbopol).

Soluções Auxiliares Diluídas de Tretinoína

A tretinoína é empregada em concentrações variadas, normalmente na faixa de 0,01 a 0,1%. Entretanto, concentrações maiores são eventualmente utilizadas em preparações para peelings (1 a 10%) destinadas ao uso em consultórios e aplicadas por profissional (Kede & Sabatovich, 2004; Batistuzzo et al., 2006). A manipulação de formulações em pequenas quantidades, contendo tretinoína em concentrações menores, implica na pesagem de quantidades diminutas deste fármaco. Para se evitar erros de pesagem e, consequentemente, desvios de teor no produto final, é recomendável o uso de solução auxiliar diluída da tretinoína. Contudo, as soluções auxiliares diluídas devem ser preparadas para o uso em um curto período de tempo (não ultrapassar a 15 dias) e armazenada adequadamente em condições ideais.

A seguir, relacionamos alguns exemplos de soluções auxiliares diluídas de tretinoína para o emprego em formas farmacêuticas diversas:

1. Solução auxiliar diluída de Tretinoína a 0,5% (p/v)
Tretinoína ............................................................. 0,5g
BHT (butilhidroxitolueno)....................................... 0,1g
PPG-14 butil éter * qsp 100mL
*Ucon Fluid AP da Ion.

Indicação:
Para uso no preparo de emulsões cremosas e pomadas.
Fator de correção = 200

Procedimento de preparo:
1. Em um gral de vidro, triturar o BHT e a tretinoína.
2. Adicionar, lentamente, o PPG-14 butil éter, triturando após cada adição.
3. Transferir a preparação para um cálice ou proveta graduada e ajustar para o volume final com o PPG-14 butil éter.
4. Envasar em frasco de vidro âmbar.

Nota: Preparar quantidade suficiente para consumo de, no máximo, 15 dias.
Conservar em temperatura ambiente controlada.

2. Solução auxiliar diluída de Tretinoína 0,5% (p/v)
Tretinoína ....................................................0,5 g
Álcool absoluto ............................................45 mL
Acetona .......................................................10mL
BHT (butil hidroxi tolueno)............................0,05g
PPG-5 ceteth-20*.........................................9,5 mL
Polietilenoglicol 400** q.s.p. ........................100mL
* Álcool cetílico propoxilado (5 OP) e etoxilado (20 OE) (Acqualsolv da Chemyunion ou Procetyl AWS da Croda);
**Carbowax 400 ou Macrogol 400.

Indicação: Para uso no preparo de géis (preferencialmente géis alcoólicos) e soluções alcoólicas, hidroalcoólicas ou hidro-propileno-alcoólicas.
Fator de correção = 200

Procedimento de preparo:
1. Dissolver a tretinoína e o BHT na acetona;
2. Adicionar o PPG-5 ceteth-20 e misturar;
3. Adicionar. em seguida. o álcool absoluto e misturar;
4. Ajustar para o volume final com polietilenoglicol 400. Misturar.
5. Envasar em frasco de vidro âmbar.

Nota: Preparar quantidade suficiente para consumo de no máximo 15 dias.
Conservar em temperatura ambiente controlada.

3. Solução auxiliar de Tretinoína a 0,2% (p/v)
Tretinoína .......................................................... 0,2g
BHT (butilhidroxitolueno).................................... 0,05g
Álcool etílico q.s.p. ............................................. 100mL

Indicação: para uso no preparo de géis (preferencialmente géis alcoólicos) e soluções alcoólicas, hidroalcoólicas ou hidro-propileno-alcoólicas.
Fator de correção: 500

Procedimento de preparo:
1. Em um gral de vidro triturar a tretinoína e o BHT.
2. Adicionar o álcool etílico e misturar até dissolução.
3. Ajustar para o volume final com álcool etílico. Misturar.
4. Envasar em frasco de vidro âmbar.

Nota: Preparar quantidade suficiente para consumo de, no máximo, 15 dias.
Conservar em temperatura ambiente controlada.

Exemplo de Cálculo
Seja a seguinte prescrição:
Rx
Creme com tretinoína 0,025% 20g

Como manipular?

Cálculo da quantidade de tretinoína (regra de três)
0,025 g ___________100g
X _______________20g

X = 0,005 g (quantidade de tretinoína requerida em 20g de creme de tretinoína a 0,025%).

Considerando a utilização da solução auxiliar diluída de tretinoína a 0,5% (Fc = 200).
0,005 x 200 (fator de correção da diluição) = 1mL da solução auxiliar.

Resposta:
Aditivar 1mL da solução auxiliar diluída de tretinoína a 0,5% em quantidade suficiente de creme base para completar 20g.

Nota: Deve se acrescentar uma quantidade complementar BHT como antioxidante de modo a obter concentração de cerca de 0,05% deste adjuvante. O mesmo poderá ser previamente diluído em qs de álcool.
Envasar em bisnaga de alumínio revestida.
Sugerimos adotar um prazo de validade não superior a 3 meses.

Fontes:
Ortofarma, por Anderson de Oliveira Ferreira, MSc.
Batistuzzo, J.A.O. et all. Formulário Médico Farmacêutico. 3a ed. São Paulo: Pharmabooks, 2006.

Referências:
1. Parfitt, K, ed. Martindale The Complete Drug Reference. 32nd ed. London: The Pharmaceutical Press, 1999.
2. The United States Pharmacopeia XXIV. Rockville, MD: The United States Pharmacopeial Covention, 1999.
3. Trissel, L.A. Trissel’s Stability of Compounded Formulations. 2nd ed. Washington: American Pharmaceutical Association, 2000.
4. García, Ma T. C. et al. Monografías Farmacéuticas. 1ª ed. Colégio Oficial de Farmacéuticos de La Provincia de Alicante, 1998.
5. Fernández-Montes, E.A. Manual de Formulación Magistral Dermatológica. 1ªed. Madrid: E. Alía, 1998.
6. Kede, M.P.V. & Sabatovich, O. Dermatologia Estética. 1ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2004. p.426.
7. Batistuzzo, J.A.O. et all. Formulário Médico Farmacêutico. 3a ed. São Paulo: Pharmabooks, 2006.
8. Sampaio, A. C. Curso de Manipulação Farmacêutica Avançada – Módulo 2. São Paulo: Consulcom, 2001.

WHO Monographs on Selected Medicinal Plants Vol. 1, 2, 3, 4

17 de março de 2010

0 comentários
Ao longo das últimas duas décadas, houve um enorme aumento no uso da fitoterapia, no entanto, ainda há uma carência significativa de dados de investigação neste campo. Assim, desde 1999, a Organização Mundial de Saúde (OMS ou WHO) publicou três volumes das monografias da OMS sobre plantas medicinais selecionadas: O volume 1 inclui 28 monografias, o volume 2 contém um adicional de 30 monografias e o volume 3 contém 31 monografias. Ao incluir as 28 novas monografias publicadas no volume 4, somaram um total de 118 monografias em quatro volumes que estão disponíveis gratuitamente no site da OMS para download (http://apps.who.int/medicinedocs/es/d/Js2200e/).

Devido à diversidade de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos, é difícil a OMS continuar a desenvolver as monografias mais comumente utilizados em plantas medicinais. Um dos objectivos da OMS é o de fornecer modelos de monografias que irá ajudar os países a desenvolver as suas próprias monografias nacionais ou regionais sobre plantas medicinais ou formulários nacionais de medicamentos fitoterápicos.


Índice das Monografias
(ordem alfabética pelo nome da planta, volume, página)

A
Fructus Agni Casti, 4, 9
Bulbus Allii Cepae, 1, 5
Bulbus Allii Sativi, 1, 16
Aloe, 1, 33
Aloe Vera Gel, 1, 43
Radix Althaeae, 2, 5
Fructus Ammi Majoris, 3, 9
Fructus Ammi Visnagae, 3, 23
Herba Andrographidis, 2, 12
Fructus Anethi, 3, 33
Radix Angelicae Sinensis, 2, 25
Aetheroleum Anisi, 3, 42
Fructus Anisi, 3, 53
Semen Armeniacae, 3, 64
Flos Arnicae, 3, 77
Radix Astragali, 1, 50
Folium Azadirachti, 3, 88
Oleum Azadriachti, 3, 102

B
Cortex Berberidis, 4, 30
Gummi Boswellii, 4, 48
Fructus Bruceae, 1, 59
Radix Bupleuri, 1, 67

C
Flos Calendulae, 2, 35
Semen Cardamomi, 4, 61
Flos Carthami, 3, 114
Flos Caryophylli, 2, 45
Herba Centellae, 1, 77
Flos Chamomillae, 1, 86
Fructus Chebulae, 4, 71
Rhizoma Cimicifugae Racemosae, 2, 55
Cortex Cinnamomi, 1, 95
Rhizoma Coptidis, 1, 105
Folium cum Flore Crataegi, 2, 66
Stigma Croci, 3, 126
Semen Cucurbitae, 4, 83
Rhizoma Curcumae Longae, 1, 115
Folium Cynarae, 4, 92

E
Radix Echinaceae, 1, 125
Herba Echinaceae Purpureae, 1, 136
Radix Eleutherococci, 2, 83
Herba Ephedrae, 1, 145
Aetheroleum Eucalypti, 2, 97
Folium Eucalypti, 2, 106

F
Fructus Foeniculi, 3, 136
Cortex Frangulae, 2, 114

G

Radix Gentianae Luteae, 3, 150
Radix Gentianae Scabrae, 3, 160
Folium Ginkgo, 1, 154
Radix Ginseng, 1, 168
Radix Glycyrrhizae, 1, 183
Cortex Granati, 4, 108
Pericarpium Granati, 4, 117
Folium Guavae, 4, 127
Gummi Gugguli, 3, 169

H
Folium et Cortex Hamamelidis, 2, 124
Radix Harpagophyti, 3, 182
Semen Hippocastani, 2, 137
Rhizoma Hydrastis, 3, 194
Herba Hyperici, 2, 149

I
Radix Ipecacuanhae, 3, 204
Lichen Islandicus, 4, 140

L
Aetheroleum Lavandulae, 3, 219
Flos Lavandulae, 3, 229
Strobilus Lupuli, 3, 236

M
Fructus Macrocarponii, 4, 149
Cortex Magnoliae, 4, 167
Aetheroleum Melaleucae Alternifoliae, 2, 172
Folium Melissae, 2, 180
Aetheroleum Menthae Piperitae, 2, 188
Folium Menthae Piperitae, 2, 199
Herba Millefolii, 4, 179
Fructus Momordicae, 4, 192
Gummi Myrrha, 3, 247
Fructus Myrtilli, 4, 210

O
Folium Ocimi Sancti, 2, 206
Oleum Oenotherae Biennis, 2, 217

P
Radix Paeoniae, 1, 195
Radix Panacis Quinquefolii, 4, 226
Herba Passiflorae, 3, 257
Cortex Phellodendron, 4, 244
Rhizoma Picrorhizae, 4, 258
Rhizoma Piperis Methystici, 2, 231
Semen Plantaginis, 1, 202
Testa Plantaginis, 3, 268
Radix Platycodi, 1, 213
Cortex Pruni Africanae, 2, 246

R
Radix Rauwolfiae, 1, 221
Radix Rehmanniae, 3, 286
Cortex Rhamni Purshianae, 2, 259
Rhizoma Rhei, 1, 231
Oleum Ricini, 4, 271
Aetheroleum Rosmarini, 4, 284
Folium Rosmarini, 4, 294

S

Cortex Salicis, 4, 309
Flos Sambuci, 2, 269
Fructus Schisandrae, 3, 296
Radix Scutellariae, 3, 314
Radix Senegae, 2, 276
Folium Sennae, 1, 241
Fructus Sennae, 1, 250
Fructus Serenoae Repentis, 2, 285
Fructus Silybi Mariae, 2, 300

T
Herba Tanaceti Parthenii, 2, 317
Radix cum herba Taraxaci, 3, 328
Herba Thymi, 1, 259
Fructus Tribuli, 4, 323
Flos Trifolii, 4, 335
Semen Trigonellae foenugraeci, 3, 3

U
Cortex Uncariae, 3, 349
Ramulus cum Uncis Uncariae, 4, 35
Radix Urticae, 2, 329
Folium Uvae Ursi, 2, 342

V
Herba Valerianae, 1, 267
Cortex Viburni Prunifolii, 4, 364

W
Radix Withaniae, 4, 373

Z
Rhizoma Zingiberis, 1, 277
Fructus Zizyphi, 3, 359

Anvisa regulamenta o uso de plantas medicinais de tradição popular‏

16 de março de 2010

2 comentários
Os benefícios das chamadas “drogas vegetais” passam de geração em geração. Quase todo mundo já ouviu falar de alguma planta, folha, casca, raiz ou flor que ajuda a aliviar os sintomas de um resfriado ou mal-estar. Unindo ciência e tradição, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer popularizar esse conhecimento, esclarecendo quando e como as drogas vegetais devem ser usadas para se alcançar efeitos benéficos. A medida faz parte da RDC 10, publicada nesta quarta-feira (10).

“O alho é um famoso expectorante e muita gente tem o hábito de usá-lo com água fervente. No entanto, para aproveitar melhor as propriedades terapêuticas, o ideal é deixá-lo macerar, ou seja, descansar em água à temperatura ambiente”, explica a coordenadora de fitoterápicos da Anvisa, Ana Cecília Carvalho.

Inaladas, ingeridas, usadas em gargarejos ou em banhos de assento, as drogas vegetais têm formas específicas de uso e a ação terapêutica é totalmente influenciada pela forma de preparo. Algumas possuem substâncias que se degradam em altas temperaturas e por isso devem ser maceradas. Já as cascas, raízes, caules, sementes e alguns tipos de folhas devem ser preparados em água quente. Frutos, flores e grande parte das folhas devem ser preparadas por meio de infusão, caso em que se joga água fervente sobre o produto, tampando e aguardando um tempo determinado para a ingestão.

Clique aqui para baixar a tabela que contém a forma correta de preparo em cada caso

Outra novidade da resolução diz respeito à segurança: a partir de agora as empresas vão precisar notificar (informar) à Agência sobre a fabricação, importação e comercialização dessas drogas vegetais no mínimo de cinco em cinco anos. Os produtos também vão passar por testes que garantam que eles estão livres de microrganismos como bactérias e sujidades, além da qualidade e da identidade.


Além disso, os locais de produção deverão cumprir as Boas Práticas de Fabricação, para evitar que ocorra, por exemplo, contaminação durante o processo que vai da coleta, na natureza, até a embalagem para venda. As embalagens dos produtos deverão conter, dentre outras informações, o nome, CNPJ e endereço do fabricante, número do lote, datas de fabricação e validade, alegações terapêuticas comprovadas com base no uso tradicional, precauções e contra indicações de uso, além de advertências específicas para cada caso.

Drogas Vegetais e Fitoterápicos

As drogas vegetais não podem ser confundidas com os medicamentos fitoterápicos. Ambos são obtidos de plantas medicinais, porém elaborados de forma diferenciada. Enquanto as drogas vegetais são constituídas da planta seca, inteira ou rasurada (partida em pedaços menores) utilizadas na preparação dos populares “chás”, os medicamentos fitoterápicos são produtos tecnicamente mais elaborados, apresentados na forma final de uso (comprimidos, cápsulas e xaropes).

Todas as drogas vegetais aprovadas na norma são para o alívio de sintomas de doenças de baixa gravidade, porém, devem ser rigorosamente seguidos os cuidados apresentados na embalagem desses produtos, de modo que o uso seja correto e não leve a problemas de saúde, como reações adversas ou mesmo toxicidade. As informações são da Impresa Anvisa.

Sugestão: Marta Rodrigues via e-mail

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB