925 Especificações de Matérias-Primas

28 de janeiro de 2009

5 comentários


> 925 Especificações revisadas e atualizadas em português;
> Referências retiradas de farmacopéias e indexs reconhecidos mundialmente;
> Formato Word 2003, de fácil formatação e impressão;
> Espaço para logomarca da empresa;
> Dados: Nome, DCB, Cód. DCB, CAS, Sinonímia, Fórmula Molecular, Peso Molecular, Forma Química, Forma Farmacêutica Usual, Fator de Equivalência, Fator de Correção, Usos, Grau de Pureza / Aplicação, Especificação Geral, Testes Básicos de Identificação, Identificação, Ensaios de Pureza, Embalagem e Armazenamento, Amostragem, Precauções e Referências.

Gel Transdérmico (PLO) - Farmacotécnica aplicada

26 de janeiro de 2009

2 comentários
Preparação do veículo em 3 partes, passo a passo
O gel de P.L.O. é composto por uma fase oleosa (LIPS) e uma fase aquosa (Gel de Polaxamer 407). Recomenda-se a prévia manipulação e armazenamento dessas fases para que no momento que s recebe a prescrição do gel transdérmico, possamos utilizá-las fazendo tão somente a incorporação do ativo prescrito.

PARTE I: Preparo da solução de lecitina e palmitato de isopropila (LIPS lecithin/isopropyl palmitate solution)
• Lecitina: fosfolipídeo; capaz de atravessar a camada córnea da pele.
• Palmitato de isopropila: solvente e promotor da penetração cutânea.
• Ácido sórbico: conservante.

Para 100g de solução:
Lecitina granulada - 50g
Palmitato de isopropila - 50g (cerca de 58,5mL)
Ácido sórbico - 1g

Passo 1: Todos os ingredientes devem ser previamente pesados ou medidos antes de iniciar o processo de manipulação.
Passo 2: Verter o ácido sórbico e a lecitina em um béquer com o palmitato de isopropila.

Passo 3: Com o auxílio de um bastão de vidro ou pão duro pequeno, misture o conteúdo do béquer até que as partículas de lecitinas estejam em contato com o palmitato de isopropila. “Não agite!”
Passo 4: Cobrir o béquer com filme plástico e deixar em repouso de um dia para o outro. No dia seguinte, uma mistura de consistência líquida irá se formar.

Embalagem e Armazenamento: Em frasco PET âmbar bem vedado em temperatura ambiente Estima-se a estabilidade aproximada dessa solução em 180 dias, segundo a USP XXV.

PARTE II: Preparo do Gel de Polaxamer 407

• Polaxamer 407: surfactante e agente estabilizante
• Sorbato de potássio: conservante

• A água destilada deverá ser previamente gelada.
• A percentagem mais usada nas formulações do gel transdérmico é 20%. Recomenda-se ter armazenado o gel de polaxamer 407 a 20%.
• O polímero polaxamer 407 é termoreverso, i.e., em temperatura ambiente, seus géis ficam gelificados e em temperaturas frias, seus géis se fluidificam. Portanto, armazenamos o gel de polaxamer 407 no refrigerador, para facilitar a manipulação final.
Passo 1: Utilizando um béquer de 240mL, calibrar o mesmo para 100mL utilizando a técnica a seguir: Medir 100mL de água destilada gelada, em uma proveta. Verter para um béquer de 240mL e marcar, externamente no béquer, o nível de 100mL. Verter então a água gelada de volta para a proveta, deixando no béquer de 20-30mL.

Passo 2: Pesar os pós e transferir para o béquer.

Passo 3: Completar, então, com a água gelada da proveta até a marca de 100mL do béquer.
Passo 4: Homogeneizar com o bastão de vidro até que todas as partículas do polímero estejam em contato com a água.
Passo 5: Cobrir o béquer com um filme plástico e deixar de um dia para o outro na geladeira, até completa dissolução. “Não agite!”

PARTE III: Preparo do Gel Transdérmico com incorporação do ativo
Gel com cetoprofeno a 10% (exemplo) - Mais formulações aqui!
A partir da manipulação da solução LIPS e do gel de polaxamer 407, pode-se então fazer a incorporação do ativo através de uma técnica chamada extrusão. Essa técnica é que vai possibilitar a encapsulação do ativo.
Cetoprofeno - 6g
Transcutol® (Dietileno glicol etil éter ou Etoxi Diglicol) - qs (não ultrapassar 10% do volume total)
Solução de lecitina (LIPS) - 22%
Gel de polaxamer 20%* - qsp 100%
• O que determina qual a percentagem devemos usar é a viscosidade e estabilidade final do gel Quando o ativo influencia na viscosidade, abaixando o pH da formulação por exemplo, podemos aumentar a percentagem do gel de polaxamer usado no gel transdérmico.
• Quanto mais ativos adicionarmos a uma formulação com o gel transdérmico, menos viscoso e estável ele se torna.
• Recomenda-se uma concentração total de ativos a 25% do volume total de gel transdérmico.

Passo 1: Triture o ativo em um gral para que haja redução dos cristais e ou partículas.

Passo 2: Dissolva o cetoprofeno em qs de álcool em um béquer pequeno.
Passo 3: Retire o conteúdo do béquer com o auxílio de uma seringa de 30 ou 20mL do tipo luer lock e coloque o adaptador na seringa como mostra a figura abaixo.

Passo 4: Com o auxílio de outra seringa de 60mL do tipo luer lock, retire o volume necessário de solução de lecitina (LIPS) e conecte as seringas.

Passo 5: Vagarosamente, misture o conteúdo das seringas, empurrando um êmbolo por vez até obter uma mistura homogênea. Coloque a solução em uma única seringa deixando o conector.

Passo 6: Observe o volume em mL que sua preparação está ocupando na seringa. Diminua esta quantidade de 60mL (volume final). Essa diferença é o volume do gel de polaxamer a ser usado.

Passo 7: Retire o volume necessário do gel de polaxamer com uma outra seringa de 60mL do tipo luer lock. Conecte as duas seringas.

Passo 8: Misture o conteúdo das duas seringas empurrando os êmbolos das duas seringas da direita para a esquerda e vice e versa, um por vez. (técnica de extrusão, de acordo com a figura abaixo). Execute essa técnica pelo menos 5 vezes ou até que a mistura esteja visivelmente homogênea, como mostra a figura.


Passo 9: De acordo com a dose diária a ser usada pelo paciente, dispensar na própria seringa de 60mL ou dispensar em seringas menores (como as de insulina, de 1mL) que permitem a leitura precisa do gel em quantidades menores que 1mL. Veja a figura que mostra como colocar o gel em seringas menores. Pode-se dispensar várias seringas de 1mL para o paciente. A outra sugestão seria de envasar o gel em sachês aluminizados.


Material utilizado e onde comprar:
• Seringas luer-lock de 20 e 60mL e seringas tipo Insulina de 1mL: casas de material cirúrgico ou RIMED (www.rimed.com.br), telefone 0800 144500
• Conectores de seringas e Adapta-Caps®: Embrafarma Produtos Químicos e Farmacêuticos.
• Sachês aluminizados: Tepron (www.tepron.com.br)
• Etiquetas especiais para rotular seringas: Tipolac Etiquetas (www.tipolac.com.br)

Sugestões de Formulações com o Gel Transdérmico - Visualização do arquivo

Fonte: Embrafarma Produtos Químicos e Farmacêuticos - Download do arquivo original

Roteiro p/ Realização de Testes de Controle de Qualidade

22 de janeiro de 2009

0 comentários

O seguinte roteiro visa descrever as seguintes análises mínimas que podem ser realizadas em um laboratório simples de Controle de Qualidade:

• Características Organolépticas;
• Solubilidade;
• pH;
• Densidade relativa (líquidos);
• Densidade compactada (sólidos);
• Ponto ou Faixa de Fusão.

CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS (SÓLIDOS)

1- Com o exaustor de pós em funcionamento e com o auxílio de uma espátula, retira-se uma pequena quantidade (aproximadamente 0,1 g) da MP a ser analisada.
2- A MP é espalhada uniformemente sobre um pedaço de papel branco e sem porosidade para que os seguintes aspectos sejam analisados:
• Aspecto físico: É observada a aparência da amostra. O pó pode ser amorfo ou cristalino.
• Cor: A observação da cor da amostra deve ser realizada em local bem iluminado.
• Odor: Pode ser classificado como odor característico ou inodoro.
• Sabor: Só é realizado quando é indicado na monografia farmacopéica. Degusta-se uma pequena porção da substância a ser analisada.
3- As observações são anotadas no “Laudo de Análise de MP”, a quantidade de amostra que restou é devolvida e procede-se com os demais testes de qualidade.

CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS (LÍQUIDOS)

1- Transfere-se cerca de 2 mL da amostra para um tubo de ensaio limpo e seco.
2- Os seguintes aspectos são observados:
• Aspecto físico: Deve-se observar a presença ou não de resíduos, o grau de turvação e a separação de fases.
• Cor: Observar transversalmente contra um fundo branco.
• Odor: Deve ser realizado somente quando solicitado na monografia farmacopéica. O odor das essências deve ser analisado utilizando uma fita de papel de filtro embebida com o produto. Espera-se secar levemente e logo em seguida, cheira-se a fita, comparando com o seu aroma padrão. É importante não realizar o teste de várias essências ao mesmo tempo devido à possibilidade de mistura de odores, dificultando uma perfeita identificação.
• Sabor: Só é realizado quando é indicado na monografia farmacopéica. Degusta-se uma pequena porção da substância a ser analisada.
3- As observações são anotadas no “Laudo de Análise de MP”, a quantidade de amostra que restou é devolvida e procede-se com os demais testes de qualidade.

SOLUBILIDADE

1- Com o exaustor de pós em funcionamento e com o auxílio de uma espátula, pesa-se 0,1 g de amostra em um papel de pesagem tarado.
2- A amostra pesada é transferida do papel para um tubo de ensaio previamente identificado com o nome da MP e do solvente a ser utilizado.
3- Na capela de exaustão de gazes, adiciona-se 0,1 mL do solvente para a análise. Se o solvente dissolver totalmente a amostra, a substância é considerada muito solúvel neste solvente.
4- Se a amostra não dissolver, acrescentar mais 0,9 mL do solvente para a análise. Se ocorrer dissolução total da amostra, a substância é considerada
facilmente solúvel neste solvente.
5- Se a amostra não dissolver, acrescentar mais 2 mL do solvente para a análise. Se ocorrer dissolução total da amostra, a substância é considerada
solúvel neste solvente.
6- Se a amostra não dissolver, acrescentar mais 7 mL do solvente para a análise. Se ocorrer dissolução total da amostra, a substância é considerada
ligeiramente solúvel neste solvente.
7- Se ainda assim a amostra não for dissolvida, reserva-se o tubo de ensaio onde estava sendo realizada a análise, tara-se um papel de pesagem e, com o auxílio de uma espátula, pesa-se 0,01 g de amostra.
8- A amostra pesada é transferida do papel para um tubo de ensaio previamente identificado com o nome da MP e do solvente a ser utilizado.
9- Na capela de exaustão de gazes, adiciona-se 10 mL do solvente para a análise. Se o solvente dissolver totalmente a amostra, a substância é considerada
pouco solúvel neste solvente.
10- Se a amostra não dissolver, transferir o conteúdo do tubo de ensaio para um copo de Béquer de 250 mL e acrescentar mais 90 mL do solvente a ser testado. Se ocorrer a dissolução total da amostra, a substância é considerada
muito pouco solúvel neste solvente.
11- Se o solvente não dissolver totalmente a amostra, a substância é considerada
insolúvel neste solvente.
12- Proceder com a mesma metodologia para análises com outros solventes.
13- Depois de realizadas as análises com todos os solventes especificados na coluna “especificações” as observações são anotadas no “Laudo de Análise de MP” e procede-se com os demais testes de qualidade.

pH (pHmetro digital)

1- Para determinação do pH através do pHmetro a temperatura deve estar por volta de 25ºC.
2- Acessa-se a opção de medição do pH.
3- O CQ consulta a monografia farmacopéica da MP em análise caso o produto a ser analisado seja uma MP sólida, para verificar a necessidade do preparo de uma solução de MP. A concentração da solução para análise é determinada de acordo com as especificações consultadas.
4- A amostra é transferida para um béquer.
5- Com o pHmetro previamente calibrado o CQ retira a capa plástica de proteção do eletrodo que contém solução de KCl 3M.
6- A tampa de orifício de enchimento de eletrólito contida na parte superior do eletrodo é aberta a fim de que seja estabelecido um equilíbrio de pressão do interior do eletrodo com a atmosfera.
7- O eletrodo é lavado esguichando água purificada, com o auxílio de uma pisseta e seco sem esfregar com um papel absorvente macio.
8- Se houver quantidade suficiente de amostra, o eletrodo é lavado com uma alíquota da solução amostra. Caso não haja quantidade suficiente esta etapa não é executada.
9- Com o pHmetro na opção de leitura, o bulbo do eletrodo é imerso na solução para análise. Espera-se até que o valor do pH no visor do pHmetro estabilize-se e anota-se o valor no “Laudo de Análise de MP” caso seja sendo medido o pH de uma MP sólida, semi-sólida ou líquida; ou no “Registro de Análise de Água”, caso esteja sendo medido o pH da água purificada; ou na “Ficha de Pesagem”, caso esteja sendo medido o pH de um produto acabado manipulado.
10- O eletrodo é retirado da solução, lavado esguichando água purificada, com o auxílio de uma pisseta e seco sem esfregar com um papel absorvente macio.
11- A capa plástica de proteção do eletrodo que contém solução de KCl 3M. e a tampa do orifício são recolocadas. Procede-se com os demais testes de qualidade.
12- Caso estejam programadas outras análises de pH no decorrer do dia, o pHmetro é mantido em posição stand-by, para que não seja necessário realizar uma nova calibração antes das outras análises.
Obs: Toda vez que o pHmetro é ligado há necessidade de proceder com uma nova calibração.

DENSIDADE RELATIVA (LÍQUIDOS)

1- Com a temperatura ambiente ajusta preferencialmente a 20ºC, colocar o picnômetro com capacidade de no mínimo 5 mL, vazio, com tampa, limpo e seco sobre a balança para determinar sua massa (M1).
Obs: Manuseia-se o picnômetro com auxílio de papel absorvente para que a oleosidade das mãos não seja repassada para as paredes externas do picnômetro, pois influenciaria na massa medida.
2- Anotar a massa do picnômetro vazio.
3- Retirar o picnômetro da balança com o auxílio de um papel absorvente.
4- Retirar a tampa do picnômetro com o auxílio de um papel absorvente.
5- Preencher o picnômetro com água recentemente purificada, até um pouco acima da metade do gargalo.
6- Com o auxílio do papel absorvente inserir lentamente a tampa no picnômetro até que a amostra transborde pelo orifício do capilar.
7- Enxugar o líquido transbordado com papel absorvente tomando cuidado para que o papel não entre em contato com o orifício da tampa, pois pode absorver o líquido pelo orifício.
8- Colocar o picnômetro cheio no banho-maria ajustado à temperatura constante de 20ºC, deixando-o imerso por aproximadamente 3 minutos (tempo estimado para que o líquido contido no picnômetro atinja 20ºC).
Obs: Imergir somente a base do picnômetro, tomando cuidado para que a água do banho-maria não penetre no interior do picnômetro.
9- Retirar o picnômetro do banho secando-o rápida e cuidadosamente para que a temperatura das mãos não altere a temperatura do líquido contido no picnômetro.
10- Com auxílio de papel absorvente, colocar o picnômetro com água sobre a balança eletrônica para determinar sua massa (M2).
11- Anotar a massa do picnômetro com água.
12- Retirar o picnômetro da balança com auxílio de um papel absorvente.
13- Descartar a água.
14- Preencher o picnômetro com a amostra a ser testada, até um pouco acima da metade do gargalo.
15- Com o auxílio do papel absorvente inserir lentamente a tampa do picnômetro até que a amostra transborde pelo orifício do capilar.
16- Enxugar o líquido transbordado com papel absorvente tomando cuidado para que o papel não entre em contato com o orifício da tampa, pois pode absorver o líquido pelo orifício.
17- Colocar o picnômetro cheio no banho-maria ajustado à temperatura constante de 20ºC, deixando-o imerso por aproximadamente 3 minutos (tempo estimado para que o líquido contido no picnômetro atinja 20ºC).
Obs: Imergir somente a base do picnômetro, tomando cuidado para que a água do banho-maria não penetre no interior do picnômetro.
18- Retirar o picnômetro do banho secando-o rápida e cuidadosamente para que a temperatura das mãos não altere a temperatura do líquido contido no picnômetro.
19- Com auxílio de papel absorvente, colocar o picnômetro com a amostra sobre a balança eletrônica para determinar sua massa (M3).
20- Anotar a massa do picnômetro com a amostra.
21- Retirar o picnômetro da balança com auxílio de um papel absorvente.
22- Retirar a tampa do picnômetro e descartar a amostra.
23- Calcular a densidade relativa através da fórmula abaixo:
Densidade relativa = (M3 – M1) / (M2 – M1)
Onde:
M3 = massa do picnômetro + amostra, em gramas
M2 = massa do picnômetro + água, em gramas
M1 = massa do picnômetro vazio
24- Anotar o resultado no “Laudo de Análise de MP” e prosseguir com os demais testes de qualidade.

DENSIDADE COMPACTADA (SÓLIDOS)

1- Uma proveta de 10mL previamente seca e sanitizada é tarada
2- A MP a ter a densidade compactada determinada é colocada na proveta até a marca de 10mL.
3- Bate-se a proveta moderadamente algumas vezes contra uma superfície rígida para compactar o pó. Se necessário, adiciona-se mais MP para completar o volume de 10mL, bate-se novamente contra a superfície rígida até que o nível atingido pelo pó não sofra alteração.
4- A proveta cheia com MP é colocada novamente sobre a balança a balança, e a massa dos 10mL do pó contido na proveta é determinada e anotada.
5- Realiza-se procedimento em triplicata.
6- Calcula-se a média das massas determinadas nas três compactações.
7- A partir da fórmula descrita abaixo, o cálculo da densidade compactada é realizado.
Densidade compactada = (média das massas) / 10
Obs: O denominador fixo 10 corresponde ao volume de 10mL ocupado pelo pó na proveta.
8- Anotar o resultado no “Laudo de Análise de MP” e prosseguir com os demais testes.
9- Caso a MP não tenha sofrido processo de modificação dentro da farmácia (MP original do fornecedor), ou caso a MP seja um excipiente produzido na farmácia, é devolvida à embalagem e encaminhada à Área de Pesagem juntamente com a Ficha de Produção e demais documentos onde é realizado o fracionamento.
10- Anotar o resultado no “Laudo de Análise de MP” e prosseguir com os demais testes de qualidade.
PONTO OU FAIXA DE FUSÃO
1- Utilizando o bico de bulsen, o CQ fecha um dos lados de um tubo capilar fundindo uma das extremidades.
2- Com o auxílio de uma espátula, retira-se uma pequena quantidade de amostra que é espalhada em um papel branco e colocado no capilar de modo a formar uma coluna de aproximadamente 4 mm de altura.
3- O capilar é batido levemente contra uma superfície dura para compactar a amostra no interior do capilar.
4- Liga-se o aparelho de ponto de fusão e ajusta-se a taxa de aquecimento para 30ºC por minuto. Quando a temperatura atingir 10ºC abaixo da temperatura mínima de fusão esperada para a amostra, a taxa de aquecimento é diminuída para cerca de 1ºC por minuto.
5- Quando a temperatura atingir 5ºC abaixo da temperatura mínima de fusão esperada, introduz-se o tubo capilar no aparelho.
6- Espera-se o início da fluidificação da amostra ou a formação de gotículas na parede do tubo capilar (início da fusão).
7- Anota-se no “Laudo de Análise de MP”, a temperatura do início da fluidificação.
8- A temperatura na qual a amostra encontra-se completamente fundida, que evidenciada pelo desaparecimento da fase sólida (fim da fusão), também é anotada no Laudo.
9- Se necessário, efetua-se a limpeza externa do aparelho de Ponto de Fusão, utilizando papel toalha embebido em solução de álcool etílico a 70%.
10- Após a realização da análise, os capilares são descartados.
11- Anotar o resultado no “Laudo de Análise de MP” e prosseguir com os demais testes de qualidade.

Referências:
-Gestão Farmacotécnica Magistral - Vol. 1, Maria Filomena L. & Cols. Conrado Editora: Edição Própria do Autor Edição: 2ª Ano: 2008

Fármacos Manipulados em Dermatologia

21 de janeiro de 2009

5 comentários

1. Despigmentantes:

* Hidroquinona 5%; Tretinoína 0,05%; Dexametasona 0,05%; Creme Lanette qsp 30g.

* Hidroquinona 2,5g; VC-PMG 1,5g; Hidrocortisona 0,05g; Creme Lanette qsp 30g.

* Arbutin 1%; Loção Cremosa qsp 30ml.

* Hidroquinona 3%; Ácido Glicólico 6% Alfa Bisabolol 0,5%; Gel qsp 30g.

* Ácido Kójico 2%; Ácido Glicólico 6% ; Alfa Bisabolol 1%; Gel qsp 30g.

* Azeloglicina 15%; Creme Base qsp 30g.

* Antipollon HT 1%; Creme qsp 30g.

* Ácido Fítico 1%; Antipollon HT 2%; Ácido Glicólico 5% ; Gel qsp 30g.

* VC-PMG 1%; Gel de Natrosol qsp 30g.

* Hidroquinona 4%; Ácido Kójico 2%; Ácido Glicólico 6%; Creme qsp 30g.

* Ceramidas 3%; Lipossomas 2%; Antipollon 3%; Vitamina E Oleosa 2%; Elastocell 5%; creme não iônico qsq 30g.

* Arbutin 2%; Ácido Kójico 1% Loção qsp 30ml.

* Hidroquinona 10%; Azeloglicina 15%; Hidrocortisona 0,05%; Creme qsp 30g.

* Ceramidas 2%; Adenin 0,1% Creme qsp 30g

* Ácido Fítico 1%; Ácido Kójico 2%; Ácido Glicirrízico 0,2%; Creme qsp 30g.

* Melawhite 10% Creme qsp 30g

* Microesferas Retinol 10%; Nikol VCIP 5%; Loção Gel 30ml.

* Glicosferas Vit C 5%, Acido Glicirrizico 0,1%; Ceramidas 0,5%; Gel 30g.

* Kinetin L 10%; Nutriskin 3%; Gel Plurigel 30g.

* Clariskin 5%; Acido Kójico 1%; VCIP 5%; Loção Gel 30ml.

* Adenin 0,1%; Agua Licorice PT 1%; Gel Natrosol 30g.

* Biowhite 4%; Cremogel 30g.

2. Hidratantes:

* Uréia 10%; Óleo de Amêndoas 10%; Silicone 5%; Vitamina E Oleosa 2% Creme Lanette qsp 100g.

* Colágeno 5%; Elastina 3%; Hidroviton 3%; Vitamina A Oleosa 1%; Vitamina E 2%; Creme Base qsp 100g.

* Uréia 15%; Óleo de Macadâmia 10%; Silicone 10%; Extrato de Aveia 2%; Creme qsp 100g.

* Lactato de Amônio 12%; Alantoína 0,1%; Uréia 15%; Creme Base qsp 300g.

* Elastina 2%; Colágeno 5%; Fator ARL 1%; Óleo de Prímula 10%; Vitamina E Oleosa 1%; Loção Cremosa qsp 100ml.

* Elastocell 5%; Net FS 2%; D Pantenol 2%; Óleo de Semente de Uva 5%; Óleo de Macadâmia 5%; Creme Base qsp 100g.

* Óleo Purcelin 5%; Óleo Macadâmia 5%; Loção Polowax 100ml.

* Hidroviton 2%; Vitamina A Oleosa 100.000 ui; Vitamina E Oleosa 1%; Loção Base qsp 100ml.

* Ceramidas 2%; Acido Hialurônico 1%; Creme Polowax qsp 100g.

* PCA NA 5%; Alantoína 1%; Óleo De Germem De Trigo 5%; Uréia 5%; Loção Base 100ml.

* PCL 5%, Uréia 5%; Fomblim 2%; Óleo De Purcelin 1%; Lactato De Amônio 5%; Loção Base qsp 100.

3. Cremes para as mãos:

* Fomblim HC/25 4%; Silicone 5%; PCL 5%; Creme Lanette qsp 30g.

* Uréia 5%; Fomblim HC/25 2%; Silicone 5%; Creme Lanette qsp 30g.

* Óleo de Silicone 5%; D Pantenol 2%; Fomblim 2%; Creme qsp 30g.

4. Cremes Anti-Aging:

* Lipossomas 2%; Elastocell 5%; Colágeno 3%; Radizen A 1%; Creme Base qsp 30g.

* Ácido Hialurônico 2%; Radizen A 1%; Lipossomas 2%; Ceramidas 2%; Extrato de Camomila 1%; Azuleno 0,025%; Creme qsp 30g.

* Íris Iso 5%; Elastocell 5%; Net FS 5%; Gel de Natrosol qsp 30g.

* Glicosferas de Vitamina C 5%; Gel qsp 30g.

* Lipossomas de Coenzima Q10 10%; Lipossomas 2% ; Creme qsp 30g.

* DMAE 5%; Ácido Lipóico 4%; Elastocell 5%; Net FS 2% ; Gel Natrosol qsp 30g.

* Elastina 2% ; Vitamina E Oleosa 0,5% ; Creme para área dos Olhos qsp 30g.

* Creme de Colágeno e Elastina 10% 100g.

* Argireline 10%; Elastinol+ 5%; Loção Nikkomulese (Em plurigel)qsp 30g ; Ph 5-7

* Argireline 10%; Elastinol+ 5%;Nutriskin 3%; Gel Plurigel qsp 30g:Ph 5,5-7.

* Reticulina 1%; Elastina 2% ; FARL 2%; Gel Base qsp 30g.

* Argireline 10%; Raffermine 3,5%; Nikkol VC-IP 1%; Gel Plurigel qsp 30g; Ph 5,5-7.

* Argireline 10%; Elastinol+ 5%; Íris Iso 5%; Creme Base qsp 30g; Ph 5,5-7.

* Argireline 5%; Kinetin L 10%; Nutriskin 2,5%:; Creme Base qsp 30g; Ph 5,5-7.

* Argireline 10%; Biorusol 1%; Microesponjas Retinol 6%; Creme Base qsp 30g: Ph5-7

* Microesponjas Retinol 6%; Kinetin L 5%; Lipossomas 4%; Loção Gel 30ml.

* Tensine 3%; Rafermine 5%; Elastinol + 5%; DMAE 5%; Gel Plirigel 30g.

* Matrixyl 3%; Acido Alfa Lipóico 3%; Argireline 5%; Elastinol + 5%; Creme Polowax 30g.

* DMAE 5%; Caviar 3%; Gel 30g.

* Codiavelane 3%; Elastinol 5%; Rafermine 3%; Creme 30g.

* DMAE 5%; Tensine 3%; Rafermine 3%; Elastinol 5%; Creme Gel 30g.

5. Shampoos para Caspa e Seborréia:

* Extrato Glicólico De Camomila 5%; Silk 1%; Shampoo Base qsp 200ml.

* Cetoconazol 2%; Dexa-metasona 0,1g; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Piritionato de Zinco 2%; D Pantenol 2%; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Climbazol 1,5%; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Octopirox 1%; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Extrato Algas Marinhas 2%; Proteína Hidrolizada 1%; Shampoo Base qsp 200ml.

* Neo PCL 1%; Shampoo Neutro qsp 200ml.

* Óleo De Macadâmia 3%; Extrato Aloe Vera 1%; Shampoo Base qsp 200ml.

* Aminoácidos da Seda 2%; PCA NA 1%; Shampoo Base qsp 200ml.

* Queratina Hidrolisada 1%; Óleo Jojoba 3%; Extrato Aloe Vera 1%; Shampoo Base qsp 200ml.

* Enxofre 0,5%; Viofórmio 1,5%; Ácido Salicílico 0,5%; LCD 2,5%; Irgasan DP300 0,2%; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Óleo de Cade 2%; Enxofre 1%; Ácido Salicílico 1%; LCD 5%; Viofórmio 1%; Shampoo Base Neutra qsp 200ml.

* Ácido Salicílico 1%; LCD 10%; Shampoo Base Neutra qsp 100ml.

6. Cremes para Rachaduras dos Pés:

* Ácido Salicílico 4%; Uréia 10%; Creme Lanette qsp 100g.

* Vaselina Salicilada 10% 100g.

* Lanolina 20g; Glicerina 10g; Cold Cream qsp 100g.

* Ácido Salicílico 5%; Vita-mina E Oleosa 2%; Glicerina 5%; Silicone 2%; Cold Cream qsp 100g.

* Vitamina A Oleosa 3%; Vi-tamina E Oleosa 2%; Extrato Mel 5%; Uréia 10%; Própolis 2%; Cold Cream qsp 100g.

7. Formulações para Micoses em geral:

* Creme de Cetoconazol 2% 30g.

* Solução de Hipossulfito de Sódio 40% 500ml.

* Solução de Terbinafina 1% 20ml.

* Creme de Terbinafina 1,5% 30g.

* Solução de Tioconazol 28% 10ml.

* Fluconazol 100mg/150mg/200mg - Cápsulas

* Itraconazol 100mg / 200mg - Cápsulas.

* Terbinafina 250mg - Cápsulas

* Fluconazol 1,6% em DMSO qsp 20ml.

* Nitrato de Miconazol 1% Creme base qsp 30g.

* Nistatina 500.000ui - Cápsulas

* Solução de Iodo Branco 30ml

* Ácido Salicílico 2% ; Ácido Benzóico 3% ; Iodo 2% ; Solução Alcoólica qsp 50ml.

8. Tratamento para Alopécia:

* Finasterida 1mg - Cápsulas.

* Solução de Minoxidil 2% a 5% 100ml.

* Minoxidil 2%; Propilenoglicol 20%; Loção Capilar qsp 100ml.

* Solução de Auxina Tricogena 12% 100ml.

* Pilocarpina 0,1g; Tintura de Jaborandi 15%; Minoxidil 2%; Solução Hidroalcóolica qsp 100ml.

* Solução de Finasterida 0,05% 100ml.

9. Tratamento de Acne e/ou Rosáceas:

* Clindamicina 2% Solução 50ml.

* Clindamicina 2%; Peróxido Benzoíla 4% Gel qsp 30g.

* Peróxido de Benzoíla 5%; Eritromicina 2%; Gel qsp 30g.

* Peróxido de Benzoíla 5%; Ácido Retinóico 0,025% Gel *

* Peróxido de Benzoíla 5%; Eritromicina 2%; Gel qsp 30g.

* Peróxido de Benzoíla 5%; Ácido Retinóico 0,025% Gel qsp 30g.

* Aqua Licorice PU 0,1%; Gel qsp 50g.

* Lotio Alba 100ml.

* Ácido Salicílico 2%; Enxofre 5%; Óxido de Zinco Microni-zado 2%; Creme qsp 100g.

* Clindamicina 1,2%; Propilenolicol 6%; Água Destilada 40ml; Álcool Isopropílico ou Álcool 70% ou Gel Alcoólico qsp 100ml.

* Clindamicina 1,5%; Alantoína 0,5% ; Extrato de Própolis 2%; Cânfora 0,2%; Loção Alcoólica 70% qsp 100ml.

* Clindamicina 1,2%; Ácido Salicílico 3%; Resorcina 2%; Propilenoglicol 5%; Álcool 70% qsp 100ml.

* Enxofre 0,5%; Irgasan 0,5%; Ácido Salicílico 1%; Sabonete Líquido Base qsp 100ml.

* Ácido Retinóico 0,05%; PP2 2%; Creme qsp 50g.

* Óleo de Melaleuca 5%; Alantoína 0,4%; Gel qsp 50g.

* Ácido Salicílico 3%; Lauril Sulfato de Sódio 0,2%; Resorcina 2% Solução Aquosa qsp 100ml.

* Sulfacetamida Sódica 10%; Azuleno 0,01% ; Lauril Sulfato de Sódio 0,2% ; Álcool 20ml ; Acetona 10ml; Água Destilada qsp 100ml.

* Água Licorice PU 0,5%; Acido Azélaico 5%; Gel 30g.

10. Tratamento Peeling:

* Ácido Glicólico 20%; Gel qsp 50g.

* Ácido Retinóico 0,5%; Creme qsp 50g.

* Ácido Glicólico 12%; Aze-loglicina 5% Creme qsp 30g.

* Solução de Ácido Tricloroacético 20% 30ml.

* Solução de Jessner: Resor-cina 14%; Ácido Salicílico 14% ; Ácido Láctico 14%; Álcool 95% qsp 100ml.

* Ácido Salicílico 20% Álcool 95% qsp 30ml.

* Ácido Glicólico 10%; Ácido Glicirrízico 0,5% ; Gel qsp 50ml.

* Ácido Retinóico 0,05%; Al-fa Bisabolol 1%; Gel qsp 50g.

11. Desodorantes:

* Mentol 0,5g; Bicarbonato de Sódio 10g; Cloreto de Alumínio 5g; Solução Hidroalcóolica 100ml.

* Cloreto de Alumínio 10%; Álcool de Cereais qsp 100ml.

* Cloridróxido Alantoinato de Alumínio 5% Creme qsp 50g.

* Cloreto de Alumínio 5%; Água de Rosas qsp 100ml.

12. Formulações para Queimaduras:

* Creme de Sulfadiazina de Prata 1% 100g.

13. Formulações para Calos e/ou Verrugas:

* Ácido Salicílico 4g; Ácido Láctico 4g; Colódio Elástico qsp 20ml.

* Solução de Ácido Tricloroacético 50% 10ml

* Solução de Ácido Tricloroacético 80% 10ml.

* Solução Alcoólica de Podofilina 25% 10ml.

14. Formulações para Psoríase:

* Antralina 0,4%; Ácido Sali-cílico 2%; Creme qsp 100g.

* Antralina 0,5%; Propionato de Clobetasol 0,01%; Creme Não Iônico qsp 50g.

* Coaltar 3%; Óleo de Cadê 2%; Vaselina Sólida qsp 100g.

* Hidrocortisona 1%; LCD 5%; Alantoína 2%; Mentol 1%; Vaselina Sólida qsp 100g.

15. Formulações para Limpeza de Pele:

* Extrato de Algas Marinhas 2%; Extrato de Camomila 5%; Extrato de Hamamelis

2%; Ácido Salicílico 1,5%; loção de limpeza qsq 100ml.

* Azuleno 0,05%; Extrato de Camomila 5%; Alúmen 2%; Benjoim 5%; Água de hamamelis qsq 100 ml.

* Óleo de Germe de Trigo 1%; Óleo de Jojoba 3%; Loção de Limpeza qsp 100ml.

* Extrato de Aloe Vera 3%; Extrato de Calêndula 2%; Cânfora 0,25%; Lauril Sulfato de sódio 1%; Azuleno 0,05%; Água de Hamamelis qsp 100ml.

* Benjoim 5% ; Extrato de Aloe Vera 2% ; Ácido Salicílico 0,5%; Cânfora 0,2%; Sabonete Líquido de Limpeza qsp 100ml.

* Extrato de Camomila 2%; Extrato de Ginseng 2%; Mentol 0,5%; Alantoína 0,2%; Propilenoglicol 5%; Água de Hamamelis qsp 100ml.

16. Formulações para Prevenção de Estrias e/ou Celulites:

* Colágeno 5%; Óleo de Amêndoas 10%; Alantoína 1%; Creme Hidratante qsp 100g.

* Asiaticosídeo 0,5%; Óleo de Semente de Uva 5%; Creme Hidratante qsp 100g.

* Óleo de Prímula 10%; Ácido Hialurônico 1%; Vaselina Sólida 50g; Creme Polowax qsp 100g.

* Hialuronidase 2000UTR ; Colágeno 5%; Alantoína 1%; Óleo de Uva 3%; Creme Hidratante qsp 100g.

* Colágeno 3%; Vitamina E Oleosa 0,5%; Óleo de Semente de Uva 10%; Óleo de Rosa Mosqueta 5%; Alantoína 0,3%; Creme Base qsp 100g.

* Creme para Massagens 100g; Extrato de Algas Marinhas 4%; Elastina 2%; Colágeno 5%.

* Elastina 2%; Alantoína 0,5%; Hidroviton 1,5%; Creme para Massagens qsp 100g.

17. Formulações para Eczemas:

* Ictiol 3%; Óleo de Oliva 10%; Pasta de Lassar qsp 100g.

* Coaltar 5%; Ácido Salicílico 5%; Creme Polowax qsp 100g.

* Coaltar 3%; Resorcina 5%; Óxido de Zinco 15%; Cânfora 1%; Vaselina Sólida qsp 100g.

* Coaltar 5%; Óleo de Cadê 5%; Alantoína 1%; Mentol 1%; Creme qsp 100g.

* Cafeína 5%; Acetato de Hidrocortisona 1%; Creme qsp 30g.

As formulações descritas estão nas suas dosagens mais usuais, podendo sofrer alterações de acordo com o quadro clínico de cada paciente.

 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB